sábado, 17 de outubro de 2009

Um não-lugar. Não-pessoas. Não-sentimentos. Um não. E ao mesmo tempo tudo ao avesso.

UM
Em que momento a gente morreu?

DOIS
É menos deprimente procurar saber quando nascemos.

UM
Morrer foi bem pior.

DOIS
Em nenhuma ocasião seria o avesso disso.

UM
Porque?

DOIS
Porque o que?

UM
Porque aquela montanha está com cara de sozinha?

DOIS
Eu ainda te amo.

UM
Eu não sei mais.

DOIS
Tudo bem.

UM
Tudo bem? Nada está nunca bem.

DOIS
Tudo está nunca bem.

UM
E se eu gritar agora?

DOIS
Vai fazer você se sentir melhor?

UM
Sim.

DOIS
Então faça.

UM
Não consigo.

DOIS
Então esqueça.

UM
Preciso ouvir uma música que me faça chorar.

DOIS
Suas lágrimas estão teimosas?

UM
Não tenho mais lágrimas.

DOIS
E sorrisos?

UM
Eu os perdi numa caixa amarela.

DOIS
É como se não existisse...

UM
A caixa?

DOIS
A gente.

UM
Me faltou ar agora.

DOIS
Não existir dói?

UM
Não existir é o mesmo que estar boiando numa piscina de saliva, que ao mesmo tempo que corrói, anestesia. Come a carne, e isso mata, mas deixa o osso exposto e livre, e isso é alegre.

DOIS
Eu não te amo mais.

UM
Porque?

DOIS
Não sei.

UM
Porque?

DOIS

Não sei.

UM
Porque aquela árvore dança sozinha?

DOIS
Porque a solidão é a melhor companhia.

UM
Por isso eu danço só.

Silêncio.

UM
Pra onde foi o amor que há um minuto atrás existia?

DOIS
O amor é um maratonista.

UM
O nosso ultrapassou a linha de chegada.

DOIS
Não. Ele tropeçou e quebrou todos os dentes, fraturou a terceira costela do lado esquerdo de cima para baixo e já não enxerga tão bem graças a uma pedrinha que arranhou a pupila.

UM
Porque as nuvens rastejam e não correm? Elas não tem pressa?

DOIS
Pressa pra que se têm consciência de sua finitude?

UM
Pois então.

DOIS
Eu te odeio.

UM chora.

UM
Minha cabeça ainda cabe no seu colo?

DOIS
Não.

UM
Nossas mãos juntas ainda têm seis dedos?

DOIS
Não.

UM
Nosso amor é um rock ou um jazz?

DOIS
Nosso amor não tem melodia. É música de surdo.

UM
Em que momento a gente morreu?

DOIS
A gente não morreu.

UM
Não?

DOIS
A gente nunca existiu.

7 comentários:

: disse...

Sentimentos muitas vezes vagos,que nos deixa a refletir,se realmente existem,dão tesão,faz-me extasiar diante da grandeza de curiosidades que a vida nos proporciona.
Nascemos ou morremos?
Estamos realmente por aqui?

Acredito que ande lendo O Mundo de Sofia.
:)

Rai Jr. disse...

eu lembrei de Beckett.

Ana disse...

eu lembrei de mim.

Andrè Dale disse...

Esse menino é sempre tão inspirado...

======Avril Vs Britney===== disse...

nossa ameei

A vida. disse...

A verdade é que a inspiração será sempre voltada para o que conhecemos;será sempre sobre de amores sofridos ou não,de angustias,e de toda a complexidade humana já esclarecida.
São apenas palavras,alinhadas,que não me despertaram o calor ja conhecido da vida humana,da vida terrestre.

nadia disse...

caramba. cada vez mas apaixonada pelo os textos. realmente o amor é maratonista, qualquer obstaculo ele pode ficar no caminho. mas adorei, vc expoem os sentimentos numa forma que faz a pessoas se imaginar a se propria. parabens