domingo, 6 de setembro de 2009


Augusta

Angustiada angústia
Angustia o ser
Augusta angustiada
Não pode assim viver.

Augusta angustiada
Não se dá tempo
De angústia sufocada
Vê angústia até no vento.

Angústia envenenada
Mata Augusta angustiada
Dentro de si trancada.

Augusta angústia
Vê no simples ser
Toda angústia de viver.

6 comentários:

Joi disse...

quanta angústia!
vc já leu o lobo da estepe, do hermann hesse? tem muito a ver com esses seus vômitos todos aqui.

abraço,
João.

Joi disse...

postei uma parada que talvez vc goste, chega lá!
abs!

Joi disse...

pois é, acho que nao. e se tem, nego esconde bem o jogo. haha.
só sei que cair é foda, mas se levantar é foda tb!

to curtindo essa troca, heim!

abraço!

disse...

Na angustiada vida q vago,na angustia da busca q ainda sigo,seguirei angustiada pelos nobres caminhos de Augusta q me leva à um rumo sem destino!

Andrè Dale disse...

Olha a angústia ai outra vez!

...Laís Pertinaty... disse...

Gostei muito!